Onde olho?

Deitado no piso de madeira, olho para o concreto do teto. O retangulo de alumínio e vidro, da parede ao lado, deixa a luz do Sol bater no meu peito. “É quente a vida”. Tentação! E, a brisa que circula entre as paredes de branco gelo diluem a dureza da manhã. Que frescor?! Me tenta até não poder mais.

Onde olho? Vejo meu coração, seja no concreto frio e seco, químico e fisicamente estático que me protege da vida de lá, do lado de fora. Seja no branco do meus olhos, tão iguais aos seus e aos deles tão diferentes. Eles não entedem. Nem mais você. E isso faz sentido: não busco ser entendido, busco ser atendido. Muitas vezes confundo e troco o segundo pelo primeiro. Mas, não escapo! A realidade me joga no chão da sala e diz que é segunda-feira. Preciso correr para que me sirvam mais paredes de concreto e alumínio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s