Onde olho?

Deitado no piso de madeira, olho para o concreto do teto. O retangulo de alumínio e vidro, da parede ao lado, deixa a luz do Sol bater no meu peito. “É quente a vida”. Tentação! E, a brisa que circula entre as paredes de branco gelo diluem a dureza da manhã. Que frescor?! Me tenta até não poder mais.

Onde olho? Vejo meu coração, seja no concreto frio e seco, químico e fisicamente estático que me protege da vida de lá, do lado de fora. Seja no branco do meus olhos, tão iguais aos seus e aos deles tão diferentes. Eles não entedem. Nem mais você. E isso faz sentido: não busco ser entendido, busco ser atendido. Muitas vezes confundo e troco o segundo pelo primeiro. Mas, não escapo! A realidade me joga no chão da sala e diz que é segunda-feira. Preciso correr para que me sirvam mais paredes de concreto e alumínio.

Anúncios

Pois não sou poeta

Eu não sou poeta!

eu me movo

com certas palavras e cores

do mundo grande sem profetas

 

Que os campos têm provavelmente mais flores

Eu ainda não vi nenhum dia

Nada que me fizesse perder a esperança que se aproxima

de uns certos simples rumores

 

Coisas que dizem meu coração

coisas para qual eu temia ver e queria,

com certeza, poder inventar uma palavras para isso

mas, como dizem, não sou poeta então.

 

Carro que me leva não me trás se quiser

e é hora de chover para poder pisar na poça

e ficar te esperando sozinho

te esperando para ver o que vou te dizer de pé

 

Para algo mais eu fico só olhando

coração agradece se toco meu próprio peito

Sentir felicidade não é coisa de quem escreve

é coisa de quem lê outra face pensando

 

Se não dá para ver a noite impede crer

eu simplesmente finjo não temer nada

pois, é claro, eu quero ver o abrir do dia

E pintar quadros com Sol e sua letra de nome tecer

 

Pois se noites longas não durmo bem

Durmas por este que dizem poeta não ser

Poeta finge muito bem, eu não

Só ligue para quem de longe vem

 

Que assim me aquieto com te ver

Pois não sou poeta

Sou outra coisa que quero pra mim

Sou aquele que vai escrever e dizer “você”: você!