Meu próprio estresse

De frente tudo são sequelas

De uma vida de páginas amarelas

 

De frente eu torpo a interesse

Alheio a meu próprio estresse

 

De frente purgo minha identidade

E renego meu ego por pena e auteridade

 

De frente bato no muro com firmeza

E vejo o quanto de tristeza

Não faço questão, mas desapareço

De seu apreço

Perdido amor

Coração que outro ganhou

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.